Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

09/02/2016

Resenha - Paprika - Anime


Nome: Paprika
Nome em japonês: パプリカ

Informações:
Tipo: Filme
Episódios: 1
Gênero: Fantasia, Horror, Mistério, Psicológico, Sci-Fi, Suspense
Lançamento: 2006
Produtores: Madhouse, Sony Pictures Entertainment, Cyclone Graphics
Duração: 1 hr. 30 min
Classificação: +18

Sinopse: Em um futuro próximo, o Dr. Tokita inventa um poderoso aparelho chamado DC Mini, que torna possível o acesso aos sonhos das pessoas. Sua colega, a Dra. Chiba, psicoterapeuta e pesquisadora de ponta, desenvolve um tratamento psiquiátrico revolucionário a partir do aparelho. Mas, antes de seu uso ser sancionado pelo governo, o DC Mini é roubado. Então eles mergulham no mundo do inconsciente para descobrir quem está por trás do crime.

Xavier, é você?

Esse é um exemplo de algo que eu sempre quis ver, estava na minha lista a um tempão, mas nunca assistia. Não criava "coragem" para ver porque sempre que via as pessoas falando dele, achava que era muito cult e difícil de entender. No fim, assisti no ano passado, e nesse final de semana novamente, pois é bem divertido! Como esse filme é popular, já existem muitas resenhas pelos blogs mundo afora. Mesmo assim, gostaria de apresentar ele aqui no blog, para aqueles que ainda não conhecem ou também não assistiram porque acham que não vão entender. Vou usar várias citações de outros lugares para vocês lerem opiniões diferentes, ok? ♥


História

Paprika é um filme japonês de ficção científica, baseado no livro de Yasutaka Tsutsui, sobre uma pesquisa psicológica que usa um aparelho que permite terapeutas a entrarem nos sonhos dos pacientes com o fim de ajudá-los. O filme foi dirigido por Satoshi Kon, animado pela Madhouse e produzido e distribuído pela Sony Pictures. A trilha sonora foi composta por Susumu Hirasawa. A trilha deste filme é importante por ser a primeira a usar Vocaloid.

É um filme sobre uma máquina que foi roubada e eles tentam recupera-lá, e esse aparelho faz com que você entre no sonho de outras pessoas. Então rolam umas tretas pois o aparelho não havia sido finalizado corretamente (ou algo assim) e os sonhos das pessoas começam a se misturar e fica tudo muito loco. É bem legal! E enquanto eles tentam desvendar o mistério de quem está por trás de tudo isso, eles vão entrando no sonho um do outro, e tem horas que você não sabe mais se eles estão em um sonho ou na realidade.

O filme tem muitas mensagens, simbolismos e referências. Porém, não é difícil de entender. Você pode ver de duas formas: como um anime normal com uma história interessante ou como um anime filosófico cheio de detalhes e coisas ocultas. Geralmente não entendo da parte "difícil", só vejo como forma de entretenimento mesmo, e entendi a história de modo geral. Não é algo impossível, basta prestar atenção que você entende. E ainda consegui pegar algumas das mensagens, o que é ótimo, é muito bom quando conseguimos sacar a parada!


A história gira em torno de uma revolucionária criação tecnológica que possibilita a visualização perfeito dos sonhos, uma máquina chamada “DC Mini”, criando a oportunidade de explorar de forma única o subconsciente das pessoas. Para quem gosta de psicologia, é fácil perceber as portas que uma invenção dessa criaria no meio psicoterápico e psicanalítico. O problema é que antes desse novo tratamento ser aprovado, os “DC Mini”s são roubados e o subconsciente de várias pessoas começam a ser invadidos e deturpados.

Em meio a isso, um policial chamado Konakawa Toshimi, que após não conseguir resolver um caso começa a sofrer de uma ansiedade neurótica, é tratado de forma extra oficial (já que o tratamento não foi aprovado) por essa tecnologia através de uma garota, a Paprika. Enquanto a situação fica cada vez mais complicada, a chefe de desenvolvimento, Chiba Atsuko, procura encontrar uma solução para tudo, onde a realidade é constantemente posta à prova.

Fonte.

Paprika é uma obra deveras aclamada, entre outros motivos por ter sido o último longa de Kon em vida, que morreu prematuramente, aos 46 anos - uma notícia que, à época, abalou profissionais e entusiastas da animação japonesa mundo afora. Kon foi considerado um dos grandes diretores da sua época, tendo trabalhado com Mamoru Oshii (Ghost in the Shell e Tenshi no Tamago) e Katsuhiro Otomo (Akira), entre outros importantes diretores. Além de filmes, ele também chegou a dirigir uma série de TV, Paranoia Agent, além de escrever mangás. 

Fonte.

Paprika é um filme desaconselhável para quem não gosta do papel surreal dos sonhos, é um nonsense sem fim assim como aqueles dias em que você dorme e acorda achando que teve as mais malucas experiências oníricas, mas se você não se importar muito com isso e gostar de uma pitada de ficção científica com algo de inception vá em frente, Paprika possui teorias interessantes e simbolismos que tornam o filme curioso.

Fonte.

Prêmios e Indicações

O filme Paprika recebeu vários prêmios e indicações:

Montréal Festival of New Cinema
2006 - Vencedor - Prêmio do público - Satoshi Kon

Festival de Veneza
2006 - Indicado - Golden Lion (Melhor filme) - Satoshi Kon

Fantasporto
2007 - Vencedor - Prêmio da Crítica - Satoshi Kon

Newport Beach Film Festival
2007 - Vencedor - Melhor Animação - Satoshi Kon

Online Film Critics Society
2007 - Indicado - Melhor animação

Chlotrudis Awards
2008 - Vencedor - Melhor Design Visual


Músicas

Abertura: "Mediational Field"

Encerramento: "Byakkoya no Musume"


Arte

Acredito que metade da experiência que tive com Paprika teria se perdido se não tivesse visto em Blu-ray. Faço do Gyabbo as minhas palavras: A animação do estúdio Madhouse é simplesmente perfeita, um trabalho espetacular que dificilmente poderia ser feito por outros estúdios. Nada passa pelos animadores, seja confetes caindo ou os pingos da chuva escorrendo pelo para-brisa de um carro, tudo é feito com exatidão e perfeccionismo, agregando qualidade máxima àquilo que não mereceria nada menos que um trabalho perfeito.


Vale a pena ver?

Sim. Mesmo se for ver só pela diversão, vale muito a pena. Como já disse, não precisa entrar a fundo no significado das coisas, é possível ver, entender e se divertir com a história, mesmo que de modo superficial. Se você, assim como eu, ver, amar e ficar com a sensação de "quero ver de novo", o bom é que quanto mais você vê, mais você entende, mais detalhes você percebe e mais se apaixona pela obra. E se você for desses que entende as paradas profundas, acredito que vai gostar ainda mais. Espero ter convencido vocês a verem essa obra fantástica ♥


8 comentários:

  1. Realmente, quanto mais se vê, mais se entende. Essa história é genial e todos deveriam dar uma chance a ela <3

    ResponderExcluir
  2. O Satoshi Kon gostava de fazer histórias com esse estilo narrativo próprio, no qual várias linhas de enredo diferente se misturam e fica difícil para o espectador identificar exatamente qual história está vendo em dado momento. Paprika é o ápice disso e, não à toa, é uma das principais inspirações do filme Inception. Eu tenho o DVD aqui (sabia que Paprika chegou a ser lançado oficialmente no Brasil?) e não tomei vergonha na cara de assistir ainda, obrigado por me cutucar um pouco mais =D

    ResponderExcluir
  3. Eu nem sabia da existência dessa animação (até agora), e parece ser muito foda, eu vou dar uma chance sim a ele, vou assistir, amo no-sense :D

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Vou chamar meu namorado para ver! Uhuh! Dando uma chance! Obrigada! õ/

    ResponderExcluir
  6. Eu gostei muito de Paprika. O enredo foi muito bem feito, a trilha sonora e ótima e a animação é muito bonita. Sonhos são um assunto que me agrada demais, e foi bem trabalhado nele. A filosofia e aquela temática de que será que a tecnologia avançada seria bom pra todos me agradou também. A trilha sonora também ajudou muito em algumas cenas impactantes.

    ResponderExcluir
  7. Selo "Satoshi Kon" de Qualidade!!! Tudo que o cara pôs a mão é arte!!! Pena que ele não se encontra mais entre nós...

    ResponderExcluir
  8. Nunca assisti esse anime. Mas é muito interessante porque adoro sonhar. Só que ficaria com pena de quem entra se nos meus sonhos são muito bizarros.

    ResponderExcluir