Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

26/11/2015

Títulos honoríficos japoneses


Hoje vamos aprender sobre os títulos honoríficos do idioma japonês. Há um vasto conjunto de títulos honoríficos que servem para dirigir-se as pessoas ou referir-se a elas com respeito. Tais formas de tratamento seguem o nome de um indivíduo, da mesma forma que um sufixo.


No Japão, o habitual é chamar as pessoas pelo sobrenome, exceto se for alguém da família, amigos íntimos ou crianças. Outra característica interessante e muito importante é o uso frequente de honoríficos após o nome ou sobrenome. Existe uma grande variedade de honoríficos e cada qual deve ser usado de forma apropriada.

A hierarquia é muito importante na sociedade japonesa e também determina qual honorífico usar para cada pessoa de acordo com o grau de intimidade ou posição social. O conceito dos honoríficos existe desde a era feudal e podemos dizer que é um dos pilares da educação no que diz respeito ao trato social. 

Pra quem está aprendendo japonês, é muito importante aprender a usar corretamente os honoríficos japoneses, pois o uso inadequado pode acarretar más interpretações e você pode sair como “mal educado”, mesmo sem esta intenção. Também não devemos usar honoríficos para se referir a nós mesmos.

Fonte.

Títulos honoríficos:

San é o mais comum de todos e, provavelmente, o mais conhecido fora do Japão. É usado para referir-se a alguém de mesma hierarquia, seja etária ou profissional. Aplica-se tanto a homens como a mulheres, e a tradução mais próxima ao português é "senhor" e "senhora". Sempre se utiliza na segunda ou terceira pessoa. Por exemplo, se um operário referir-se a um colega de trabalho de mesmo nível, chamado Arima, ele será chamado de Arima-san.

Caso se desconheça o nome e o sobrenome da pessoa que exerça uma profissão, san também poderia ser empregado. Por exemplo, um açougueiro (nikuya) seria chamado de nikuya-san. Outro uso do título ocorre quando um integrante de uma entidade refere-se a outra entidade. Por exemplo, o gerente de uma empresa que quisesse falar sobre outra empresa, nomeada Kojima Denki, poderia mencioná-la como Kojima Denki-san.

Kun é usado para se referir ao sujeito masculino, bastante utilizado na relação "superior falando com um inferior", para se referir ao inferior. Também é utilizado entre jovens quando existe alguma intimidade.

Chan é usado para demonstrar informalidade, intimidade, confiança, afinidade ou segurança com a outra pessoa, não obrigatoriamente do sexo feminino. Podemos dizer que serve como diminutivo do nome das pessoas, Yuki-chan = Yukizinha. Para acentuar a informalidade, pode-se atribuir chan à inicial da outra pessoa, por exemplo, uma mulher chamada Ichitaka pode ser chamada de I-chan por alguém próximo a ela.

Senpai é o sufixo para tratar colegas mais velhos ou figuras mentoras. Aplica-se a estudantes mais velhos de escolas, a atletas mais experientes, veteranos, etc.

Kōhai (kouhai) é o contrário de senpai, é o calouro, usado para referir-se aos mais jovens. Porém, não é normal tratar alguém diretamente com este sufixo, pois seria rude. Ao invés de kōhai, é preferível kun.

Sama é a versão formal de san, sendo utilizado para tratar pessoas de altíssima posição ou importância, como imperadores e deuses. A imprensa japonesa costuma mencionar as mulheres da família imperial japonesa com este tratamento (Masako-sama, por exemplo). Os cristãos japoneses, ao rezarem, chamam Deus de Kami-sama e Jesus de Iesu-sama. Na comunicação dentro do comércio, é comum ouvir o-kyaku-sama (senhor cliente) de vendedores que querem demonstrar respeito.

Tama e Chama são as versões infantis de sama, quando as crianças acabam errando a palavra, se tornou popular e é considerado bonitinho.

Shi é usado na escrita formal, para referir-se a uma pessoa que o interlocutor não conhece pessoalmente, mas conhece através de publicações. Aparece em documentos legais, diários, jornais, publicações acadêmicas, entre outros escritos.

Tono, pronunciado Dono quando anexado a um nome, significam "lorde" ou "mestre". São títulos que já não são usados atualmente, embora sejam utilizados, por vezes, em algumas correspondências de negócios. Também se podem ver escritos em diplomas, prêmios e correspondência escrita em cerimônias de chá. Dono e Tono são mais comuns no anime e/ou mangá, especialmente naqueles que decorrem em períodos antigos, podendo apresentar um significado de submissão (para mostrar respeito profundo por um "mestre" ou "lorde") ou de igualdade (quando uma pessoa importante se dirige, com grande respeito, a outra do mesmo estatuto, elevando o interlocutor relativamente ao locutor).

Sensei é traduzido como "professor", contudo, esse não é o sentido genuíno deste sufixo. É usado para falar de pessoas "que nasceram antes" (de nós) e que, por esse motivo, têm mais conhecimentos e experiência numa determinada área. É usado para referir-se aos professores, mestres, doutores, políticos, e para pessoas que chegaram a um alto nível intelectual.

Shishou é equivalente a sensei, mas é menos usado e refere-se a uma relação mais pessoal.

Iemoto é uma versão mais formal de sensei, usado para grandes mestres de arte tradicionais, tais como caligrafia japonesa ou cerimônia do chá.

Ue era muito usado antigamente, especialmente pelas famílias aristocratas, para se referir a alguém a quem sente muito respeito, tais como pai, mãe e outros membros da própria família. Exemplos: chichi-ue (pai), haha-ue (mãe), ani-ue (irmão mais velho), ane-ue (irmã mais velha).

Senshu é usado especialmente para atletas em geral. Pode ser aplicado a boxeadores, jogadores de futebol, lutadores de artes marciais, etc.

Zeki é usado para lutadores de sumô, principalmente os de elevada categoria.

Hikoku serve para fazer referência a criminosos condenados. Já suspeitos que ainda aguardam julgamento são referidos como yogisha.

Heika trata-se de um título real, que se traduz como "majestade".

Kakka é um título honorífico que significa "Vossa Excelência" e é usado geralmente para embaixadores e alguns chefes de estado.

Bochan é usado por mordomos para se dirigirem aos seus patrões ricos. Traduzido como "criança rica".

Senshi é usado para guerreiros.

Kami é usado para deuses.

Megami é usado para deusas.

Douhai é um companheiro de trabalho ou estudante de mesmo nível, ou que estão na escola no mesmo ano escolar. Tratamento pouco usado.

Onichan/Onechan é uma forma carinhosa de se chamar alguém de "irmão"/ "irmã".

Hime, mesmo sendo traduzido normalmente como "princesa", o sufixo pode referir-se a uma senhora de origem nobre.

Denka é usado para a realeza não soberana, semelhante ao "Alteza Real".

Daitōryō significa "presidente" e é usado para qualquer presidente nacional.

Hoshi, monge budista.

Shinpu, padre católico.

Bokushi, sacerdote protestante.


Fontes usadas: fonte e fonte.

Espero ter ajudado vocês a conhecerem um pouco mais do idioma japonês ^^

9 comentários:

  1. Muito interessante... Parabéns pelo blog!! ^^

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante... Parabéns pelo blog!! ^^

    ResponderExcluir
  3. Conhecia praticamente todos já, mas não pude deixar de notar que o Senpai e Kōhai estão tão próximos ali, um pequeno erro, porque todos sabem que são próximos, mas na verdade distantes hauhauhauaha (buguei)

    ResponderExcluir
  4. Bem, eu já tinha noção dessas coisas, mas nem tanto.
    Foi interessante saber, já imaginou se tivesse algo assim aqui no Brasil?
    Adorei saber mais!

    ResponderExcluir
  5. Eu conhecia alguns, mais esta matéria ampliou muito o conhecimento sobre o assunto. Eu tinha me interessado mais não pesquisei. Gostei muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E existem mais! É que fiquei com preguiça de colocar UHUHAUHAUH além de que tem uns que nunca vimos e são pouco usados... Nem compensava mencionar.

      Excluir
  6. Eu sabia um pouco mas nossa...Quantas formalidades mas eles são uns amor em relação ao respeito ♥ Que nem o Kiyohara-sensei! :3
    Ele é muito gente boa,gostaria muito de vê-lo pessoalmente,e Ah! Você vai na CCXP? Ou já foi? xD

    ResponderExcluir