Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

17/11/2019

Resenha - A Tartaruga Vermelha - Anime


Informações
Nome: The Red Turtle (A Tartaruga Vermelha)
Episódios: 1
Estúdio: Studio Ghibli
Gênero: Fantasia
Duração: 1h e 20min

Sinopse: Um homem naufragado numa ilha deserta onde encontra uma tartaruga vermelha que lhe muda a vida.


História

A Tartaruga Vermelha é um filme sobre um homem que acaba envolvido num naufrágio onde é deixado a deriva numa ilha deserta. Uma premissa muito básica, reminiscente de filmes clássicos, mas então o que tem de especial esta abordagem do diretor Michaël Dudok de Wit?

Para começar, está é uma parceria com o famoso estúdio Ghibli! Para quem não sabia, o próprio Hayao Miyazaki, através de Vincent Maraval (presidente da empresa Wild Bunch) pediu para ser apresentado ao diretor de Father and Daughter (Michaël Dudok de Wit) com a intenção de co-produzirem um filme. E foi com essa apresentação que nasceu A Tartaruga Vermelha, um filme espetacular onde pura e simplesmente observamos a vida, seja ela humana ou animal.

Num lado temos o nosso protagonista que perante a sua situação começa a explorar a ilha e arranjar maneiras de fugir daquela "prisão" de água e deixem-me dizer que através dos incríveis visuais e da maneira de como a história foi construída é capaz de ser uma das melhores representações das emoções humanas, um feito ainda mais marcante quando vemos que em 1 hora e 20 minutos não se ouve uma única fala.


Em todos os momentos nós conseguimos entender perfeitamente a dor e a frustração que aquele humano sente, tudo isto através da sua linguagem corporal e do ambiente que o rodeia. O que puxa para o outro ponto que comentei, a vida animal apesar de numa escala menor, também é uma força presente por todo lado.

Conforme acompanhamos a jornada do protagonista somos bombardeados pela natureza desde pequenos caranguejos que andam pela praia, as plantas que residem na ilha e até mesmo as tartarugas que acabam por ser o grande foco da obra. Todos estes detalhes estão repletos de vida e isso só contribui para dar forma a está história maravilhosa que nos é apresentada.


Todavia, apesar de pessoalmente achar que a obra esteja bem perto da definição de uma masterpiece, a verdade é que acredito que não seja para todos. O motivo principal é a fluidez da história, pois apesar de ter estado agarrada do princípio ao fim, a verdade é que aqueles que se aborrecem com tudo que não tenha grandes momentos de ação vão detestar. Eu própria na minha primeira tentativa acabei por adormecer facilmente no começo do filme, pois encontrava-me um tanto cansada.

Mas se conseguirem por de lado esse pormenor e apreciarem este filme que foge completamente aos moldes tradicionais dos filmes Ghibli, acredito que vão sair com uma boa perspectiva dos sentimentos humanos e da magia da natureza. Caso tenham interesse e entendam inglês, recomendo que assistam o vídeo feito pelo canal Beyond Ghibli, onde é falado de forma magnífica os pontos fortes da obra com a assistência da mídia visual.


Arte

Agora falemos do grande tópico de A Tartaruga Vermelha, até porque sem o magnífico trabalho do departamento artístico a obra nem teria metade do impacto que tem.

Numa primeira vista o que mais vai chamar á atenção é o design de personagens, normalmente as obras do estúdio Ghibli têm um design mais arredondado na parte do rosto e com um tom um tanto infantil. Em contra partida aqui é nos apresentado uma forma humana mais tradicional e madura, relembrando até um pouco como era habitualmente representada antigamente.

Todavia, acredito que muitos até acabarão por esquecer do protagonista quando apresentados a milhares de frames onde a natureza se encontra no seu melhor. Sério, perdi a conta das vezes que voltava o filme para simplesmente analisar melhor as técnicas usadas para criar o mar ou mesmo a maneira como eles representavam a ilha.


Mas se tiver que enaltecer algo terá que ser definitivamente as noites. Em muitas obras quando se precisa de representar o anoitecer vemos algo mágico como o céu estrelado, mas aqui nos é mostrado pura e simplesmente a escuridão. Não estou a dizer que vão ver um ecrã completamente preto (até seria uma abordagem interessante), mas que a equipa deu uso a tons cinzas e pretos para dar toda uma aura meio depressiva, assustadora e até claustrofóbica. Uma abordagem excelente se pensarem bem que provavelmente é o que todos sentiríamos caso ficássemos presos num lugar isolado, onde estamos desprovidos de todos as coisas que um humano está habituado num dia a dia. Quer acabem por ver o filme ou não, recomendo darem uma olhada nas incríveis paisagens que nele se encontram.


Música

Eu não sou a pessoa mais entendida no requisito musical, muitas vezes até acabo por esquecer que ele está lá. No entanto, até eu consegui perceber o quão crucial foi acertarem neste aspecto da produção, pois num filme sem falas criar um ambiente através dos sons é importantíssimo. E eles estão igualmente de parabéns, as faixas escolhidas são belas e enquadram-se perfeitamente com a situação em mãos, sem falar dos belos momentos em que só temos como trilha sonora os sons da natureza.


Vale a pena ver?

Sim, sem dúvida! A obra é lindíssima e um grande marco tanto pro estúdio Ghibli como para o diretor e todos os envolvidos, mas como já referi, caso não gostem de coisas mais paradas, talvez está não seja uma história para vocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário