Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

02/02/2020

Resenha - Fire Force - Anime


Informações
Nome: Fire Force
Episódios: 24
Lançamento: 2019
Estúdio: David Productions
Gênero: Ação, Sobrenatural, Shounen
Duração: 23 min.

Sinopse: Tokyo está a arder e os cidadãos estão a sofrer misteriosamente de combustão humana espontânea pela cidade toda. Os responsáveis por lidar com esta situação são a equipa Fire Force, e Shinra está pronto para se juntar a eles nesta luta. Agora, como parte da Companhia 8, ele vai usar as suas pegadas do diabo para ajudar a impedir que a cidade vire cinzas! Mas o seu passado e o um segredo escaldante nos bastidores podem vir a incendiar tudo.


Hideyuki Morioka partilho alguns dos seus esboços no Twitter.

História

Desde o seu anúncio Fire Force captou a minha atenção, afinal, um trailer bem consistente e uma grande staff com uma produção bem planejada não é algo que se vê todos os dias infelizmente. Para ajudar ainda mais o hype, essa é uma história do autor de Soul Eater, uma obra que adoro! Mas do que se trata este novo anime afinal?


Bem, Fire Force ou Enen no Shouboutai conta a história de Shinra Kusakabe, um jovem com poderes pirotécnicos, que começa a sua carreira num departamento especial de bombeiros.

Neste novo universo criado por Atsushi Okubo grande parte da população tem poderes ligados ao fogo, algo bastante interessante pois sendo o único elemento na obra faz com que a audiência sempre fique a tentar adivinhar de que forma as habilidades de certo personagem podem estar ligadas ao mesmo. Infelizmente nem tudo são poderes radicais e incríveis, pois por trás do lado fantástico temos uma doença devastadora.



Infernals é o nome atribuído as pobres almas que sofrem deste problema, onde seus corpos pegam fogo e eles só querem destruir. Isto é um problema devastador que é tratado por uma equipe especial de bombeiros com poderes e que acaba por ser um ponto crucial da história. O grande objetivo do nosso protagonista e da sua equipe é precisamente descobrir os mistérios que rodeiam esta doença e como cura-lá. Isto tudo vai ficando mais interessante conforme são juntados outros elementos como traumas pessoais e toda uma organização de bombeiros com diversas facções que apesar de estarem unidas em papel, talvez não sejam tão de confiança como aparentam.

Outro fator predominante na narrativa e do qual eu gostei bastante da maneira como foi tratado é a religião, apesar de ter algumas semelhanças com a religião católica, a obra tem uma religião própria sendo essa The Holy Sol Temple. O maior contato que acabamos por ter com ela são as freiras que rezam pelas almas dos infernals e o principal motivo de ter gostado da sua representação é o seu significado distinto para os diversos personagens.



Temos quem acredite fielmente, quem não é crente mas mesmo assim aceita o consolo que a mesma transmite as pessoas e aqueles que são demasiado obcecados ao ponto de cometer atrocidades em nome da sua convicção. Achei uma visão bem realista e balanceada, um pouco como podemos observar na nossa própria sociedade. Mas apesar de todos estes fatores contribuírem para deixar Fire Force interessante, o que realmente é incrível e faz as pessoas ficarem, é o seu leque de personagens.

Para começar temos Shinra que é um protagonista muito bom e que veio a ganhar um lugar especial no meu coração. Ele é o típico protagonista energético e cheio de pensamentos nobres, mas gostei que ele difere um pouco da norma ao não ser cego pelo entusiasmo, demonstrando ter um bom raciocínio em muitas situações.

Além dele temos outros como Arthur um "cavaleiro" super divertido com o seu lado meio chuni, Iris uma freira super adorável (normalmente não gosto de personagens shy como ela, mas é tão interessante que adorei), Maki uma mulher tão forte como adorável, Oubi o nosso capitão destemido, etc. Também temos a Hibana, a.k.a. amor da minha vida, mas se me deixarem falar sobre ela isto acaba sendo bem mais longo do que já é... No fundo o que quero dizer é que temos aqui um elenco bem carismático em que cada um tem uma personalidade interessante que nos faz adorar passar os 24 episódios com eles.



Mas visto que até agora só escrevi boas palavras sobre o anime, penso que esteja na hora de comentar os aspectos que a meu ver foram negativos. Começando pelo tempo da obra, mais concretamente o tempo com que passamos com cada momento. Houve diversas situações em que senti que tudo acontecia demasiado rápido, não sei se é devido ao material original ou se foi uma escolha da direção, mas senti falta de uns minutos a mais para certas cenas terem mais fluidez e até mesmo para momentos marcantes terem o seu devido impacto. É um defeito menor na grande escala, mas que me incomoda um pouco quando penso na obra no geral.

Agora o outro fator que denegriu um pouco o anime nos meus olhos, fãs do mangá já me haviam comentado deste percalço mas não tava a espera que fosse ser tão desagradável. Refiro-me ao fanservice em volta da personagem Tamaki. 

Antes que me critiquem, digo já que não sou hater de fanservice, afinal  temos diversos shots da Hibana que eu adorei, mas a partir do momento em que é completamente descarado, intervém com a fluidez da história e é de certa forma desrespeitador para com a própria personagem, ao ponto desse ser quase o único elemento dela, para mim já não dá. Felizmente pelo que li, o anime encurtou essa parte do mangá e realmente é uma coisa que conseguimos por de lado na maior parte do tempo. Só me entristece ver o potencial da personagem desperdiçado nestas situações que nem fazem sentido na maior parte das vezes.


Hibana mostrando como fazer bom fanservice. 👌

No geral Fire Force é um excelente anime shounen, cheio de lutas divertidas, uma historia interessante e animada que apesar de não ser nada de revolucionante me deixo bastante entretida e empolgada com cada episódio.


Artigos interessantes:

Introdução da obra do Sakugablog e Artist_Unknown (é um preview antes do anime ter começado, mas contém na mesma muita informação sobre a staff.)


Sakugablog comenta sobre o ep 1. 


Artist_Unknown fala sobre o ep 1 e 2.




Animação 

Foquemos agora no ponto mais atrativo de Fire Force, a sua incrivelmente deslumbrante animação. O estúdio responsável por este feito é o famoso David Productions que já provou a sua qualidade nas diversas adaptações da franquia Jojo, mas que encontra aqui outro marco para o seu portfólio. Um dos grandes motivos para esse acontecimento é os novos membros que se aliaram a ele para esta produção.


Caso sigam a indústria de animação do Japão de certo já se depararam com a situação precária que o estúdio Shaft se encontra, estando a perder figuras importantes da sua equipa ao longo dos anos. E foi precisamente ao David Productions que muitos desses membros foram parar, culminando assim na forte equipa por detrás de Fire Force.

O diretor, um ex membro da Shaft que trabalhou lá durante muitos anos, é o Yuuki Yase um individuo incrível que nunca consegui brilhar tanto como outros colegas na sua antiga casa, mas que encontrou aqui o seu spotlight. Desde o inicio podemos observar as alterações que ele fez ao material original para transmitir melhor a história, algo crucial pois como sabem mangá e TV são meios completamente diferentes.



Logo no primeiro episódio somos recebidos com a sua mestria e o seu a vontade em criar coisas novas que dão uma melhor continuidade aos segmentos do mangá, chegando até mesmo a aprofundar algumas coreografias de luta que só enaltecem mais a cena. Blou um individuo experiente na comunidade sakuga explica perfeitamente o feito do diretor assim como da exemplos visuais no seu twitter.

Outro elemento bastante rico na animação são os cenários que são lindíssimos de se olhar, grande parte deles são repletos de um grande detalhe e uma iluminação excelente. Eu particularmente adorei como os mesmos captavam perfeitamente o mood da situação, dando um grande reforço na transmissão das emoções dos personagens. Tanto Yoshito Takamine (diretor de arte) como Toshiki Amada (designer) estão de parabéns.


Um dos meus frames favoritos, transmite logo o peso da situação.

No geral estão todos de parabéns! Gostando ou odiando a verdade é que Fire Force tem uma animação de outro mundo, com lutas fenomenais e um forte foco nos efeitos especiais, algo completamente normal numa obra focada em fogo. Por falar no elemento natural, a maneira como a obra usou diversos tipos de animação para o representar é fascinante, indo desde fogos mais abstratos até CGI que apesar de não ser tão apelativo é um excelente acrescento quando usado.



Mas se eu tivesse que agradecer algum individuo em especifico teria que ser o grande Kazuhiro Miwa, quase um Deus da animação e provavelmente o responsável por muitos dos vossos momentos favoritos. Riki Matsuura e Yuki Sato são outros dois animadores que conheci ao estudar a produção e merecem que lhes tirem o chapéu, analisar cada um deles foi extremamente divertido e recomendo verem alguns dos seus trabalhos. Obviamente todos os outros animadores que não mencionei são igualmente talentosos e merecem a vossa atenção.

Agora a um fator que gostaria de esclarecer, vi pela internet algumas pessoas a questionarem-se dos shots em que os personagens não têm grandes detalhes e a dizer que os animadores estavam a ser "preguiçosos". Na verdade esses momentos têm um nome "Kagenashi" e é um estilo sem sombras e com poucos detalhes  muito usado para demonstrar fortes emoções. Eu tive o meu primeiro contacto com o termo em Your Lie in April e desde então virei uma grande fã, vendo o seu forte uso em Fire Force acho que podemos dizer que o Yase-san também é um apreciador.



Músicas

Se acharem que estou a elogiar demasiado Fire Force lamento mas vou ter que continuar pois o mesmo também está muito forte no departamento musical. Enquanto que a segunda op e end têm boas músicas, as mesmas são visualmente básicas, não são más, mas também nada de outro mundo especialmente em comparação com as suas antecessoras.

Para começar a opening 1 tem uma música lindíssima e super viciante (literalmente não consigo parar de ouvir) que misturado com boas cenas de ação dos nossos heróis numa missão é uma pequena entrada para os fãs de sakuga. Já a ending é um encerramento perfeito, praticamente toda produzida por Taiki Konno, temos nela um vislumbre da historia de Iris e está tão bem feita que quase conseguimos sentir a tristeza pela qual ela passou. Um movimento ousado que demonstra uma parte do plot, plantando desde logo a curiosidade no espectador.

Abertura:
1ª "Inferno" - Mrs.Green Apple
2ª "Mayday" - Coldrain

Encerramento: 
1º "veil" - Keina Suda
2º "Nounai" - Lenny code fiction



Vale a pena ver?

Como puderam observar eu adorei Fire Force, mas sendo 100% sincera, tirando a animação o anime realmente não é assim nada de outro mundo, o que também não quer dizer que seja mau. Se gostarem de ação, lutas bem animadas e os famosos shounens de batalha vão se divertir bastante com ele.

Um comentário: